8 de dezembro de 2016

Ciranda de poesia no Instagram

Da ciranda de poesia que propus no meu instagram (@fabiospessanha), abaixo segue o último giro (até então) que dei nessa roda poético-palavral:


Desvia a fronte no olhar,
perde o queixo do teu alvo,

rompe andança em pés calados
sob luar lancinante de palavras

alvas no limbo fálico da noite,
falsas no espectro odioso do açoite.

As voltas de suas molduras,
as ancas de sua desenvoltura

tão verbalmente chão,
tão nominalmente não,

comungam laços
no regaço perdido dos pelos,

no volúvel esquecimento do nome.
A castidade se instala no

abraço tangido à penumbra.
Eleva o peito ao céu,

roga ao santo eleito
em cabeça erguida

o apelo entre coxas,
o pendor em ocos

flagelos de cor dentro de espasmos.
O sorriso molhado da morte

tinge o tempo de pronomes,
faz ranhuras nos escombros

do suor até que a voz
até que... a voz 

se perca no rumor de invernos.

Fábio Santana Pessanha


A ideia é que cheguem sem pedir licença e entrem na roda com um poema, ideia ou seja lá o que for! Só não se esqueça de marcar quem quiser convidar para a ciranda e os demais participantes!

2 comentários:

Flávia Campos disse...

Imenso!! :)

Fábio Santana Pessanha disse...

Muito obrigado! As palavras me imensam... e me perco nelas... todo o tempo...