14 de março de 2013

Um poema para Virgílio de Lemos

Um poema para meu amigo, o poeta moçambicano Virgílio de Lemos. Sua obra alimentou minha escrita, deu impulso às minhas letras. Com seus poemas, amadureci meu olhar para o mundo, num momento em que me debrucei sobre seus versos e, em diálogo, compus meu próprio horizonte. Obrigado, caro amigo!
Antes que se perguntem, esta não é uma postagem por homenagem fúnebre. O Virgílio está vivo, vivíssimo em corpo, alma, música e poesia. Se hoje tem a saúde fragilizada por conta da corrida cronológica que a todos têm; embora hospitalizado, sua verve não tem fim, sua canção continua forte no tempo do sem-igual.
A você, querido amigo, dou este poema e mando bons fluidos para que volte à urgência do caos dos dias:


Entre mar e ilha: poesia
Para meu amigo Virgílio de Lemos

Uma onda bate em meu mar,
nuas mãos percorrem meu olhar
diante do infinito anoitecer.

Para ser a língua que me habita
dou-me todo à sutileza e ferocidade da palavra,
sendo voz e gesto na criação,
anúncio em cor e pele de gestação.

Pela música e outonais bacantes,
sou todo lavra no labor dos versos:
anversos cingidos pelo sal do meu oriente,
pelo sol do meu poente.

Sou ilha em mar alado,
universo mítico na mística da canção;
uma composição dual,
uma dissonância que me retém,
deixando-me fértil para o além do imprevisto.

Sou poeta,
sou poesia nascente,
sou onda que bate em terra
na escrita de paisagem latente.

Um pintor de palavras,
cuja tela é o rascunho de um punho,
cuja obra é a errância dos silabais:
erotismos minerais de corpo pungente.

Sou ilha andante,
crepúsculo jamais findo,
pois do átimo de um meio-dia
me refaço inteiro pelo canto
dos outeiros da poesia.



4 comentários:

Alexandra Vieira de Almeida disse...

Que bela homenagem ao poeta Virgílio de Lemos. O seu poema é lindo. Belas imagens para expressar o poético. Parabéns!!! Beijos, Alexandra.

Fábio Santana Pessanha disse...

Obrigado, Alexandra. Esse foi um modo que encontrei de mandar boas energias para o Virgílio. Beijos!

violeta africana disse...

Fabio, pelo Virgílio que, como sabes, é meu amigo do peito, eu agradeço o lindo poema e, sobretudo o teu tsstemunho escrito. Estou certa de que ele vai receber as energias positivas que lhe envias e sentir que gerou um filho para a lírica escrita na nossa língua. Um abraço
Fernanda Angius

Fábio Santana Pessanha disse...

Minha querida Fernanda, que bom saber da sua presença por aqui. Para mim, é realmente muito importante. Agradeço por suas palavras e carinho.

Abraço fraterno,
Fábio.